TDAH

Entendendo o TDAH: Sintomas, Causas e Tratamentos Atuais

Introdução

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma condição neurobiológica crônica que afeta milhões de crianças e muitas vezes continua na idade adulta. Este guia irá ajudá-lo a entender a complexidade deste transtorno, discutindo seus sintomas variados, causas possíveis, como ele pode ser diagnosticado e as opções de tratamento disponíveis. Cada indivíduo com TDAH é único e portanto, a experiência pode variar; enxergando a condição através de várias perspectivas, poderemos entender melhor como ela afeta as pessoas.

O que é TDAH? - Definição e Prevalência

O TDAH, ou Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, é um transtorno neurobiológico de origem genética altamente hereditária. Caracteriza-se por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Além disso, é uma das desordens mais prevalentes na infância e adolescência podendo persistir na vida adulta.

A prevalência do TDAH é estimada entre 3-5% em crianças em idade escolar, constituindo um motivo bastante comum de consulta médica. Quando não tratado, este transtorno pode comprometer seriamente a qualidade de vida e o desempenho em várias áreas, inclusive na escola, trabalho e nas relações interpersonais.

Sintomas do TDAH em Crianças e Adolescentes

Reconhecer os sintomas de TDAH pode ser desafiador, pois eles variam bastante em sua intensidade e manifestação. Nas crianças, o TDAH é geralmente identificado durante os anos escolares, quando elas têm dificuldade em manter o foco e exibem comportamento hiperativo. Vamos destacar os sintomas mais comuns:

  • Desatenção: Dificuldade em manter o foco e a atenção em tarefas ou atividades, sendo facilmente distraídas.
  • Hiperatividade: Movimento excessivo, como correr ou escalar em situações inapropriadas, falar demais e dificuldade em ficar sentadas.
  • Impulsividade: Agir sem pensar nas consequências, dificuldade em esperar a vez ou interromper as pessoas.

Vale ressaltar que, para ser considerado TDAH, esses sintomas devem ser exibidos antes dos 12 anos, estar presentes em mais de um ambiente (como escola e casa) e causar prejuízo significativo na vida da criança ou do adolescente.

TDAH em Adultos: Sintomas e Desafios

Embora o TDAH seja mais frequentemente diagnosticado na infância, cerca de 60% dessas crianças continuarão a apresentar sintomas na vida adulta. No entanto, a apresentação do TDAH em adultos pode ser um pouco diferente, frequentemente caracterizada por desatenção no cotidiano e problemas de memória.

Além da falta de atenção e da impulsividade, muitos adultos com TDAH também têm dificuldade em gerenciar o tempo, organizar tarefas, fixar objetivos e manter empregos. Eles podem também sofrer com problemas de autoestima, relacionamentos problemáticos e problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade.

É importante procurar ajuda de um profissional de saúde mental se você estiver experimentando sintomas de TDAH como adulto. Um diagnóstico adequado pode abrir caminho para um tratamento eficaz e melhor qualidade de vida.

Causas Genéticas e Ambientais do TDAH

Embora a causa exata do TDAH não seja conhecida, existem muitos fatores genéticos e ambientais que parecem desempenhar um papel. Pesquisas sugerem que o TDAH tende a ser hereditário - muitas pessoas com TDAH têm um pai ou irmão com a condição.

Além disso, alguns fatores ambientais também podem contribuir para o desenvolvimento do TDAH. A exposição a chumbo, tanto no útero como em idade precoce, e o tabagismo e consumo de álcool durante a gravidez, têm sido associados ao TDAH. Problemas durante o desenvolvimento, como baixo peso ao nascer, nascimento prematuro e lesões cerebrais, também podem aumentar o risco.

Vale ressaltar que embora muitas pessoas tendem a associar o açúcar com o TDAH, estudos mostram que a ingestão de açúcar não é a causa do transtorno.

Diagnóstico do TDAH: Processo e Critérios

O diagnóstico de TDAH é um processo que envolve várias etapas, muitas vezes começando com um exame físico e análise detalhada do histórico médico. Os médicos também recorrem a vários tipos de questionários e podem solicitar observação comportamental na escola ou em casa.

Para fazer um diagnóstico preciso de TDAH, os profissionais de saúde usam os critérios estabelecidos pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), que requer a presença de múltiplos sintomas de desatenção e/ou hiperatividade/impulsividade antes dos 12 anos, a presença desses sintomas em dois ou mais ambientes e evidência de comprometimento clinicamente significativo na vida social, acadêmica ou profissional.

Fazer um diagnóstico correto é crucial, pois muitas outras condições, como ansiedade, depressão e certos tipos de problemas de aprendizagem, podem ter sintomas semelhantes ao TDAH. Além disso, é bastante comum para pessoas com TDAH terem uma ou mais condições coexistentes.

Opções de Tratamento para TDAH

O TDAH é geralmente tratado com uma abordagem multifacetada que abrange medicamentos, psicoterapia e treinamento em habilidades de vida. O tratamento é personalizado para cada indivíduo, considerando a gravidade dos sintomas e a resposta ao tratamento.

Existem diversas opções de medicamentos disponíveis para o tratamento do TDAH. Os médicos costumam prescrever uma das duas categorias principais: medicamentos psicoestimulantes e não psicoestimulantes. Ambas as classes de medicamentos trabalham aumentando a quantidade de substâncias químicas no cérebro que ajudam a regular o comportamento e a atenção.

Os medicamentos psicoestimulantes são os mais comumente utilizados e incluem:

  • Metilfenidato: As marcas populares incluem Ritalin e Concerta.
  • Anfetaminas: As marcas populares incluem Adderall e Vyvanse.

Enquanto os medicamentos psicoestimulantes são muito eficazes para muitos pacientes, alguns podem preferir ou responder melhor aos medicamentos não psicoestimulantes. Essas opções incluem:

  • Atomoxetina: Disponível sob a marca Strattera.
  • Guanfacina: Disponível sob a marca Intuniv.

A decisão entre um medicamento estimulante ou não estimulante deve ser uma decisão compartilhada entre o paciente, a família e o médico, levando em consideração as necessidades individuais, perfil de efeitos colaterais e possíveis interações com outros medicamentos.

Além dos medicamentos, a terapia comportamental é uma componente crucial do tratamento do TDAH. Em crianças, isso pode envolver treinamento para os pais. Para adultos, a terapia cognitivo-comportamental é uma opção eficaz. Essas abordagens podem ajudar a desenvolver habilidades de organização e planejamento, melhorar as habilidades sociais e aprender a controlar os comportamentos impulsivos.

Conclusão

O TDAH é uma condição complexa com diversos sintomas que podem afetar não só o indivíduo diretamente, mas também aqueles que o cercam. Compreender os muitos aspectos do TDAH - desde os sintomas até as opções de tratamento - é o primeiro passo para a gestão efetiva da condição. Lembrando que, embora o TDAH possa apresentar muitos desafios, com o tratamento adequado, indivíduos com TDAH podem levar vidas saudáveis, produtivas e satisfatórias.

Voltar para o blog